Make your own free website on Tripod.com
A pesca sem morte

A razão do Pesque & Solte e como praticar

Tutorial da revista eletronica " Anzuelo y Sedal "

A pesca sem morte, ou " pesca e solta " , esta pratica está se tornando algo cotidiano para um número crescente de pescadores.
A razão da captura e solta já deveria estar claro para todos nós, mas o instinto de matar o pescado é algo muito arraigado  em muitos pescadores em alguns mais em outros menos.
Nós da "  Anzuelo y Sedal "  queremos  lembrar a todos nossos leitores que só esses peixes que nós soltamos de nossos anzóis e devolvemos vivos à água  têm a possibilidades para continuar crescendo, de reproduzir, e de ser novamente capturado por nós, ou por algum outro pescador afortunado.

A pesca sem morte ( pesque e solte )  não é milagrosa, não resolve problemas como a contaminação das aguas, da derivação dos leitos de rios para a produção de energia elétrica, de desmatamento das matas ciliares, da pesca predatória ... Nem é igualmente efetivo em toda a espécie de interesse pesqueiro, nem em todas as populações de algumas destas espécies .
Não é a panacéia universal, e se nós queremos recuperar nossos rios  não é só estar fazendo o pesque e solte que conseguiremos  isto; mas freqüentemente ajuda, e muitos de nós conhecemos lugares onde esta prática, em alguns anos, as grandes Trutas ( e outros peixes ) voltaram a alegrar nossas pescarias, onde praticamente elas tinham desaparecido.
Ou ter sido os espectadores privilegiados de um dessas recuperações, ou por qualquer outra razão, para alguns pescadores o pesque e solte se tornou uma rotina, em parte de seu modo de ser e sua forma de pescar.
Para outros é só uma norma a mais que eles devem cumprir para poder pescar nesses lugares onde o pesque e solte é uma obrigação legal.
Em qualquer dos casos não é bastante o devolver ao peixe à água: é necessário os devolver à água debaixo de condições boas que o peixe não morra algumas horas ou alguns dias depois por causa do dano que recebeu durante a briga ou quando sendo liberado do anzol.
Obviamente não serve para nada se instituir a captura e solta como algo forçado se os métodos de pesca usados causam ao peixe lesões sérias e uma porcentagem alta de mortalidade.
Nós nos centraremos na pesca da truta que é a espécie na qual o pescador normalmente pensa quando a pessoa fala de pesca sem morte.

Nos ultimos 50 anos foram feitas dúzias de estudos sobre o efeito do uso diferentes iscas e das diferentes técnicas na mortalidade das trutas que foram liberadas depois da captura .
Esses estudos demonstraram que a isca natural geralmente causa a morte de uma porcentagem muito alta de trutas nos lugares onde seu uso é permitido (esses dados realmente indicam que a isca natural não deveria ser permitida em qualquer lugar  que legalmente é necessário devolver à água as trutas de um certo tamanho, mas isso já é um tema a parte ).
Entre as iscas artificiais as diferenças são menos sentidas e os resultados são menos homogêneos, só por meio da comparação e análise estatística do número maior de possível de dados torna possivel se referir para solidificar os numeros corretos . Depois do grande estudo estatístico que Taylor y White  levaram a cabo em 1991 algumas porcentagens de mortalidade são fixadas  normalmente em  menos que 6% para as iscas artificiais, um pouco menos se a única isca considerada é a mosca artificial ( Fly ) .
As diferenças de mortalidade observaram entre algumas iscas artificiais e outras geralmente não têm outra explicação senão o tamanho do anzol usado. Mas o tamanho não é a única característica do anzol que tem importância na  mortalidade posterior a soltura .
Fazendo uma diferenciação entre anzóis com farpas e anzóis sem farpas (na Espanha habitualmente denominou anzóis sem morte) as análises estatísticas apontam que usando anzóis sem farpa a mortalidade podem diminuir aproximadamente pela metade: pescando com mosca e anzóis sem farpa a  mortalidade por causa da captura e solta não supera, debaixo de condições normais, 2%.
Para Anzuelo y Sedal   a presença ou ausência da farpa  no anzol podem ser a diferença entre a vida ou a morte de um peixe que nós pescamos e devolvemos à água isto é  razão bastante para pleitear o uso de anzóis sem farpas quando nossa intenção é devolver à água o peixe capturado e se lembra principalmente de que a farpa  não tem uma incidência prática apreciável para com o número de peixes que  possivelmente escapem durante a briga.
Não duvidemos que  além da ferida que causa o anzol no peixe que é normalmente maior no caso dos anzóis com farpa, a operação de remover o anzol da boca do peixe fica mais lenta e mais complicada e aumenta as probabilidades que o peixe sofre algum tipo de dano no processo.
Talvez o lucro que nós conseguimos ao usar anzóis sem farpa e de seguirmos os conceitos anteriores aqui colocados seguramente não será suficiente para eliminar os efeitos da contaminação das aguas ou reflorestar uma cabeçeira de bacia hidrografica, mas de qualquer maneira é tão fácil de alcançar isso que não ha nenhum motivo que justifique renunciar a esta pratica.
Se nós dizemos que nós pescamos sem morte, nos deixe pôr todos os meios dentro de nosso alcance de forma que esta frase   ( pesca sem morte )  alcançe seu significado completo.

Anzuelo y Sedal    Revista Electrónica de Pesca Recreativa en Español