Make your own free website on Tripod.com
                                                        Catch and Release

Por : Manuel Guiu

Depois de inúmeras pesquisas feitas através de publicações sobre o assunto e em paginas da Internet fiz um balanço do que é mais aproximado com relação a sobrevivência dos peixes soltos em quatro modalidades :

1) Peixes pegos com equipamento de Fly   ( moscas ) = de cada 9 de 10 peixes pegos com moscas de fly ( e tomadas todas as providencias no manuseio e na retirada do anzol ) sobrevivem .

2) Peixes pegos com iscas artificiais contendo garatéias = 8 de 10 peixes sobrevivem  ( tomadas as mesmas providencias ) .

3) Peixes pegos com iscas naturais = de cada 3 peixes pegos somente 1 sobrevive .

4) 60 % dos peixes de águas profundas pescados  morrem  .
 

Por que soltar peixes ?

Os recursos pesqueiros do nosso pais são finitos , os números de muitas espécies importantes declinou , e isso porque  ainda não temos regulamentos e leis que realmente proteja os peixes .
Está ficando comum para os pescadores se interessarem pela  pratica esportiva de pescar e soltar para preservação de nossos peixes .
São reconhecidos amplamente os benefícios de soltar os peixes . Peixes soltos podem se manter vivos para serem pegos depois quando forem maiores , eles também continuam desovando e melhoram o numero da  população  com o passar do tempo .
Numerosos estudos de pescaria de água doce mostram que a maioria dos peixes sobrevivem a captura e a pratica do pescar e soltar .
A quantidade limitada de pesquisa feita em espécies de água salgada mostrou uma taxa considerável de sobrevivência após soltura . A incidência alta de recaptura entre os pescadores esportivos de água salgada que tagueiam os peixes é outra indicação de boa sobrevivência dos mesmos , exemplo disso é o que esta acontecendo na Austrália  .
 

Sobrevivendo à ferida do anzol

O local e a severidade da ferida do anzol em locais obviamente importantes é uma preocupação que definira se o peixe sobrevivera ou não .
Peixes fisgados nas branquias e intestinos são menos provável de sobreviver que os fisgados menos profundamente , porem , igualmente peixes fisgados profundamente podem sobreviver se a linha for cortada e o anzol deixado no local . Removendo o anzol foi demonstrado que reduz dramaticamente  a chance de um peixe sobreviver  .
O tipo de equipamento usado pode influenciar na sobrevivência do peixe . Vários estudos mostram que os peixes fisgados com iscas artificiais ou moscas sobrevivem mais do que peixes fisgados com iscas naturais , pois as iscas artificiais ficam presas na mandíbula ou na boca e as naturais são devoradas ferozmente indo até o estômago .
 

Sobrevivendo a captura e soltura
 
 

Peixes ficam estressados como resultado da captura e manipulação . Esta tensão é conhecida  por transformar a química do sangue deles .
Causa um aumento na produção de hormônios , uma formação de ácidos lácticos  e uma mudança na concentração de hemoglobina , glicose e sais . O resultado pode ser a morte imediata ou depois .
A quantidade de tensão que um peixe pode tolerar é influenciada pelo seu ambiente , por exemplo , alguns peixes de água doce provavelmente menos sobreviverão se forem pegos em água morna , do que em água fresca .
Com o tempo gasto para soltar o peixe a tensão acontece e seus efeitos são cumulativos , isso pode ser reduzido pegando e soltando o peixe o mais depressa possível  e evitando ao máximo manipula-lo .
Devemos usar material de acordo com o porte do exemplar que se pretende pescar , se o material for leve demais a luta pode durar um período excessivo , ao ponto de levar o peixe a exaustão total .
Um dos efeitos principais da tensão é uma redução na resistência normal dos peixes para infecção  . Fungos e infecções bacterianas são causas comuns de morte após a soltura .
Manipulações ásperas aumentarão os danos feitos ao peixe e também criam uma maior chance de infecção .
Como a pele do peixe é particularmente propensa a danos , manipulação que causa perda de escamas , ou a remoção do muco protetor da pele , deve ser evitada se pretendermos que o peixe tenha boa chance de sobreviver .
 
 

Pesque fora de águas profundas
 

Peixes pegos em águas profundas sofrem problemas semelhantes ao dos mergulhadores . Quando o peixe é trazido à superfície da água , estão sujeitos a formação de gases devido a pressão , então se expandem . Isso causa hemorragia séria e grande formação de bolhas internas no coração e nos vasos sanguinios , branquias e cérebro .
Alguns  peixes tem um problema adicional de expansão de gases na bexiga  natatória , que é um saco de gás , cheio de ar  que permite ao peixe manter a flutuabilidade neutra   .
Alguns peixes tem um processo lento de difusão que restringe a velocidade que o peixe pode ser removido do fundo para o raso . Como o peixe é trazido pelo pescador , o gás rapidamente se expande na bexiga  natatória comprimindo os órgãos internos e as vezes forçando o estômago para fora da boca .  Embora danificando o peixe é possível tentar salva-lo , se a bexiga natatória estiver cheia em excesso deve-se fazer um pequeno furo para que o peixe possa afundar ou ele ficara boiando e fatalmente morrerá .
 
 

Aumentando a taxa de sobrevivência dos peixes soltos
 

Pescadores se aperfeiçoam e desenvolvem habilidades pesqueiras refinadas que os permitem pegar vários peixes semelhantemente podem adquirir habilidades para soltar os peixes .

As diretrizes seguintes podem ajudar :

- Peixe lutador : traga o peixe tão depressa quanto possível , mas tenha a certeza de que a soltura se dará quando o peixe estiver menos agitado .
- Peixe estressado  por uma briga longa  raramente sobrevive , então devemos usar o equipamento adequado para cada tipo de pescaria realizada .

Retirando o anzol dos peixes :

- Retire as farpas dos anzóis , se você usar um alicate , limpe após amassar a farpa para evitar contaminação .
- Evite erguer o peixe fora da água , se possível retire o anzol dentro da água .
- Se o peixe for retirado da água coloque-o num lugar liso e molhado  , com as mão molhadas , para poder medir ,pesar e fotografar .
- Se você tiver que pega-lo com um puçá , veja que o puçá não tenha nós nas malhas pois estes nós podem machucar o olho do peixe .
- Peixes pequenos com dentes você deve segura-lo com alicate de contenção pela mandíbula inferior para extrair o anzol.
- Peixes grandes com dentes o melhor é furar com um bicheiro pelo queixo, parece cruel mas é o melhor.
- Caso o anzol tenha ferido a guelra, o olho ou a metade inferior do corpo dele a chance de sobrevivência são pequenas, portanto, sacrifique o animal.

Soltando o peixe

- Segure o peixe de modo correto para que ele se contorça ao mínimo, movimente-o com cuidado, pois pode ocorrer deslocamentos e traumatismo nos órgãos internos e na estrutura óssea dele.
- Ao liberta-lo não atire o peixe na água, mantenha-o imerso segure-o pela cauda até que ele se recupere e saia nadando com vigor, se você não fizer isso outros peixes predadores podem se aproveitar desse momento em que ele está atordoado e atacá-lo enquanto ele está indefeso.
- No caso de peixes que foram pescados em grande profundidade eles costumam expelir a bexiga natatória à medida que se aproximam da superfície. Fure-a com uma agulha hipodérmica ou um alfinete ou então ele ficará boiando à mercê de pássaros e predadores.